Fale com o Deputado

Gabinetes

Distrito Federal Ceará

A importância das igrejas em período de pandemia

A fé é um forte aliado para toda a população e isso se torna importante também para a saúde do nosso corpo e mente. A espiritualidade pode ser definida como um fator positivo na saúde psíquica, social, biológica e de promoção do bem-estar. Reconhecendo sua importância para a qualidade de vida, a Organização Mundial da Saúde (OMS), incluiu a espiritualidade no âmbito dos domínios que devem ser levados em consideração para a avaliação e promoção de saúde em todas as idades, por isso, em meio à crise do novo coronavírus, é bastante importante que o papel de apoio espiritual das igrejas permaneça em todo o país.

Boa parte da população brasileira diz optar por ter alguma religião, mas diante disso, é triste saber que por um tempo, as práticas religiosas foram interrompidas em níveis estaduais e municipais, sendo que o decreto de nº 10.292/2020 do Governo Federal inclui os cultos e serviços religiosos como atividades essenciais.

Algumas cidades brasileiras ainda proíbem a abertura de espaços religiosos no qual também são surpreendidas com fiscalizações ostensivas, mesmo quando estão nos espaços apenas para realizar transmissões virtuais. Os poderes executivos de alguns destes municípios brasileiros afirmam que o rigor estabelecido no município vigorará enquanto houver necessidade diante do surto de Covid-19.

Já a presença da solidão e das incertezas são consequências indiretas da pandemia. Tais sentimentos estão cada vez mais presentes no cotidiano das pessoas durante os últimos meses. O isolamento social e todo esse distanciamento gerado pelas consequências do vírus nos questiona muito sobre o futuro; haverá ou não previsão para o retorno das aulas? As empresas permanecerão fechadas? O desemprego há de crescer mais? Em meio a isso tudo, são as igrejas e a espiritualidade que dão o apoio necessário a população, seja através de ações sociais ou também levando palavras de incentivo para aqueles que mais precisam.

Por isso, é de grande valia que as igrejas estejam sempre de portas abertas nesse período pandêmico. Ela, como local de fortalecimento espiritual e coeficiente crucial exerce um papel fundamental em momentos de crise e acaba auxiliando pessoas que estão passando por algum tipo de vulnerabilidade, como a depressão, evitando até que alguns cometam suicídios.

Em tal caso, desenvolvemos um projeto de lei que exclui os templos religiosos das medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública internacional decorrente do coronavírus responsável pelo surto em 2019, o PL 5322/2020, pois sabemos que a liberdade religiosa é, indubitavelmente, um direito que nasce pela própria condição humana.

Nessa situação, é um tanto quanto lógico a necessidade que as medidas de enfrentamento não recaiam sobre os templos religiosos de forma compulsória e tirana, uma vez que os próprios líderes religiosos têm plena capacidade de conduzir suas respectivas comunidades com os cuidados necessários em relação à pandemia.

Imagem: Freepik